terça-feira, 23 de setembro de 2008

Novo Site

Agradeço a todos que acessam esse blog e os convido a visitar o meu site...

O endereço é:

www.entrementes.com.br



Leiam, opinem e contribuam...Valeu Pessoal!!!

domingo, 23 de março de 2008

TEXTO DA LALITA

QUERIDOS AMIGUINHOS

Não é que mais um feriadinho capitalista está finalmente chegando?!
E esse ano eu tenho um pedido simples a fazer: será que, só pra variar, vocês não poderiam apenas decorar alguns ovos de galinha ao invés de gastar dinheiro feito malucos recém-fugidos do manicômio com montanhas de chocolates embrulhados com personagens de desenhos animados que custam os olhos da cara?!
Acho que não estou pedindo muito, estoooou?!
Pois então parem de empanturrar suas barriguinhas com essas porcarias e tentem aprender o verdadeiro significado de certas festas!!

Com amor,

Coelhinho da Páscoa.

(Palavras dele, hein!?)

Lalita


Acessem o blog da Lalita:

http://www.auto-lobotomia.blogspot.com/

segunda-feira, 10 de março de 2008

PRINCÍPIO DA INCERTEZA



PRINCÍPIO DA INCERTEZA

As pedras rolam!

O fogo queima!

As plantas curam!

Os animais devoram e são devorados!

E nós humanos,

Apreciamos o cenário que se abre ao nosso redor...

Como insensatos seres

Rolamos em direção ao abismo

Não buscamos na irmandade das coisas

A cura do nosso mal.

Estamos convictos que somos os melhores do planeta

Quem sabe até do universo...

Mas como não temos certeza de nada

Vestimos essa fantasia

Durante todo o baile...

Depois que o som acaba e as luzes se apagam

Continuamos vestidos

Acreditando que ainda podemos.

Elizabeth








sábado, 1 de março de 2008

PARA OS AMIGOS MASCARADOS E INIMIGOS DECLARADOS...



Eu Sou o que Sou e nada mais do que isso...e nada menos também!!!
E os que me amam, me amam...
E os que me odeiam, me odeiam...
E os que permeiam entre esses dois lados do muro,
Vomito-os com gosto...
Ainda que pareço anacrônica, cultivo o ritual da honestidade...
Ainda que pareço caótica, cultivo o ritual da fidelidade e da confiança...
Ainda que a morte me ronde todos os dias, não abandono o cortejo à vida em todas as suas nuances...
Ainda que o mundo pareça desabar sob nossos olhos cheios d'água não abandonei meus ideais...
Ainda que eu acredite no poder do Verbo, não me entrego aos discursos com o intuito de manipular a massa umana...
Ainda que a Poderosa Donzela Verdade esteja além das expectativas umanas, busco sua sombra num jeito leve para descansar o meu fervor...
Ainda que desconheça o Verdadeiro Amor, gosto das coisas simples e amo estar aqui e agora...
Ainda que pareça puro narcisismo esse Mundo de Beth, é apenas uma forma de expressar os meus anseios poéticos...
Ainda que tudo isso possa ser interpretado como uma simples justificativa...nada posso fazer quanto a isso, pois Liberdade é tudo...sem a Liberdade não viveria de forma alguma...mesmo que venham com uma justificativa de que ninguém é livre...
Eu Sou Livre!!!
E tudo isso apenas para exaltar valores que são descartados (de forma irônica) como atitudes ingênuas de pessoas como eu...
Ainda que tudo isso que digo possa parecer apenas um momento egóico, necessito escrever o que sinto...
Afinal...Sinto, Logo existo!!!

Elizabeth

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

UM HOMEM DE IDÉIAS E DE AÇÕES





A VIDA NÃO VALE NADA

De nada vale viver horizontalmente...de nada vale viver na prisão do mundo cotidiano...de nada vale viver sem a busca de si mesmo...de nada vale viver sem fazer o bem para a humanidade...de nada vale viver sem amor!
Elizabeth





segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

FALEM O QUE FALEM... EU GOSTO DO CHE!




Esse vídeo foi produzido no Museu do Che em Alta Gracia na Província de Córdoba. Essa senhora é quem orienta as pessoas a visitar a casa onde Ernestito viveu a sua infância nas montanhas de Alta Gracia por causa do clima, já que sofria de asma.
Elizabeth

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

CIRANDA, CIRANDINHA...


CIRANDA CIRANDINHA

Descartes pregou que só existe uma mente consciente e que isso é tudo.

O mundo gira... E numa dessas guinadas aparece Freud e reinventa o inconsciente, que está para além da mente consciente; Isso mexe com a humanidade, que fica perplexa diante desse novo mundo tão vasto e desconhecido como se fosse outra dimensão da Natureza.

E para piorar a situação, aparece o Carlos Gustavo, o Jung propagando uma idéia muito doida que esse inconsciente não é somente pessoal, mas é também um inconsciente coletivo, no qual a humanidade está ligada. Uma espécie de memória que cada indivíduo carrega, além da sua própria. Essa bomba deixa todo mundo ainda mais admirado.

Mas os giros continuam intermitentes e dão tonturas. E para complicar ainda mais a mente humana, aparece o Rupert Sheldrake com a tal Ressonância Mórfica. Demonstra com ela, que existe algo mais além da mente consciente e inconsciente e do inconsciente coletivo. É a ligação de um ser a todos os outros seres e ao mesmo tempo com toda a Natureza e quem diria, com todo o Universo. Uma coletivização da informação que se propaga dentro do campo mórfico e que alimenta uma memória coletiva da Natureza, quer dizer, não é só entre os humanos. Segundo Sheldrake, os Campos Mórficos são estruturas no espaço tempo moldando a forma e o comportamento de todos os sistemas do mundo material. Esses campos produzem informações que são veiculadas através das ressonâncias e são captadas e interpretadas por todos os seres, sem a interferência da distância entre eles, pois tudo isso se dá através de vibrações.

Quer dizer então, que nesse vai e vem no gira-gira do parquinho, estamos só de brincadeira? Estamos rodando em círculos e retornando à Sócrates que já dizia: “Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o Universo e os deuses”?

Circulando, ciranda, cirandinha, vamos todos cirandar e aprender tudo aquilo que já sabemos há milênios?

Que sina é essa de andar em círculos como cegos conduzindo cegos?

Até quando vamos ficar nessa escuridão?

Existe realmente algo ou alguém que responda?

Os ecos ressoam!

Elizabeth

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

ESPELHO, ESPELHO MEU!

ESPELHO, ESPELHO MEU!!!


Espelho, espelho meu, há no mundo alguém tão parecida comigo?

Olho para o espelho e vejo a mim mesma...Bom, então não há dúvidas que sou eu quem estou do outro lado do espelho, ou há?

Meus gestos insanos são repetidos pela imagem na minha frente com tanta naturalidade que chega a assustar.

Incisiva, a imagem me olha no fundo dos olhos, o que me deixa perplexa diante de mim, trazendo o benefício da dúvida.

Será que sempre fomos assim, minha imagem e eu?

Será que essa que olho do outro lado do espelho é uma farsa que me faz acreditar nos seus gestos calculados?

Observo seus gestos semelhantes e em perfeita sincronia com os meus. Não consigo pega-la distraída em algum instante fugaz, onde possa denunciar alguma diferença.

Repete meus gestos suavemente, compartilhando o momento como se fosse ela mesma, uma criatura real.

Olha para mim, como se conhecesse todos os cantos do meu ser, despindo-me diante do espelho.

Nessa cumplicidade silenciosa ficamos encantadas, minha imagem e eu. Um encanto do qual desconhecemos a causa e o efeito, mas é quase perceptível nossas idas e vindas por tempos imemoráveis e lidas pelo espaço sem fim.

Elizabeth

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

LEONEL AZNAREZ - EL IMÁN DE TU PIEL






Esse é o cantor e compositor Leonel Aznarez que conheci nas ruas de Córdoba...Ele estava tocando seu instrumento e cantando uma bela música de sua autoria: "El Imán De Tu Piel". Comprei o seu cd "AMORES".

Elizabeth

sábado, 12 de janeiro de 2008

PENSAR PALAVRAS OUSADAS...OUSAR PALAVRAS PENSADAS!

(Magritte - Espelho)

Essa foi uma das frases mais bonitas que já pensei. Um despertar de coisas impensadas que ficam dentro da gente só esperando o momento para rebelarem-se.

E saem quase intactas, quase inteiras, quase formatadas, quase definidas, totalmente desenfreadas, mas ainda assim não são o bicho.

E pergunto: por que isso acontece? Catalizadores?

Sem você daqui do meu lado oposto isso não se daria da mesma forma... Esse foi um momento único, sem igual.

Parece-me tão irreal... Uma ilusão de que somos reais.

E essa realidade virtual, uma outra dimensão da Natureza, fez encostar-me no seu mundo mental num acaso que não existe.

Estaria você vagando, assim como eu à procura de si mesmo?

Estaria você divagando, assim como eu, sobre si mesmo?

E os seus pensamentos tão intensos quanto os meus, atraíram-se na mesma proporção.

E nesse encontro, um susto e uma constatação. Um suspiro e um prazer.

Olhar-se no espelho em busca da própria imagem real e semelhante.

E o que se vê do outro lado ultrapassa o entendimento e incrementa um desejo latente e incompreensível de VER.

Estamos imitando o real? Ou é o real que nos imita para se distrair e brincar com a gente?

Cobaias de quem? Externamos sensações em forma de pensamentos e esses, carregados de emoção e sentimento, escorrem pelo plasma fatalmente, letalmente e letralmente. Letal-mente! letral-mente!

Temos uma mente letal? Fatal ou letral?

Elizabeth