domingo, 22 de abril de 2007

MINHA FÁBULA PREFERIDA



Era uma vez um pequeno príncipe que caiu na terra dos homens por pura reação em cadeia.

Seus olhos, cabelos, são sombras e melancolia. Seu coração, uma pedra de gelo. Todos sentiam seu frio de longe e o responsabilizavam pelos invernos rigorosos e as tempestades de granizo. A desgraça, sua aliada.

Deparou certo dia, com a raposa, e como era indiferente aos filhos desse reino, parou por simples curiosidade.

A raposa se esgueirava, mas sua natureza contraditória confundiu o príncipe com uma galinha... ou seria um caçador?

Sentiu necessidade de devorá-lo e ao mesmo tempo fugir já que sua lida era devorar galinhas ou correr de caçadores.

Como os dois eram arredios, a raposa sugeriu a contemplação: ficaram se olhando, por muito tempo e viram seus antagonismos tão fortes como oposição quanto como semelhança.
Uma harmonia que vinha não se sabe da onde.

A raposa, nas suas sensações anacrônicas, ás vezes sentia um desejo de arrancar com as próprias mãos, o coração do príncipe e lamber o seu sangue ou água; ás vezes sentia um desejo de presenteá-lo com coisas fúteis. Mas tal, não entendia de presentes nem de desejos, só de “crueldades”.
Criatura estranha essa raposa e sua memória de sensações...

Criatura estranha essa...pensava a raposa...morava, dizia, numa torre muito alta, cor de chumbo, fria e escura. Tinha sempre ao pescoço, um cachecol de chumbo, quase a tocar o chão, de tão comprido.
Por onde andava, a passear em volta da torre, as nuvens encobriam o sol do meio dia.

A raposa nos campos de trigo amarelecidos pelo sol espreitava seus gestos indefinidos:

__ Será uma galinha ou um caçador? Mas como não era dona nem do tempo e nem do espaço e muito menos de si, ficava só apreciando.

O príncipe olhou com mais atenção o que nunca vira antes. Seus desejos “cruéis” não eram por determinação da natureza, mas porque virou a sua fábula...E conta, conta e conta essa utopia como a mais pura verdade.

E ao conversar com a raposa, mostra a inutilidade de ser raposa. Esta, compreende, pois sabe que de útil no mundo, há somente galinhas, que devora.

Enquanto para o príncipe, útil seria cair nos abismos e retornar ao seu habitat original.

Relembra sua origem, seu lugar e se tivesse sentimento, até choraria de saudade.

A raposa quer mostrar os campos de trigo que amarelecem ao sol, seu habitat natural. Quer mostrar a beleza do amarelo, do vermelho e do azul e o resultado de suas misturas...

Mas o príncipe mostra como os abismos são mais reais que meros campos de trigo amarelecidos pelo sol. Os abismos são mais consistentes, concretos e sem nenhum “milagre”.

A raposa não consegue ver tudo isso, da mesma forma. Sua mente simbólica é feita de pura sensação. As imagens brotam espontâneas.

Mas, quer compreender os abismos.

O príncipe é mais realista, calcula tudo, até sua morte no veneno da serpente.

E o que os dois tem em comum?

A inocência e a esperteza se alternando o tempo todo?

Os dois, desconhecem os mistérios insondáveis.


“Quando encontramos as pessoas, elas nadam significam. Mas, ao cativá-las, tornamo-nos responsáveis, dizia a raposa ao menino de cabelos louros e encaracolados como os campos de trigo. E o menino ficou a pensar... E a raposa ficou a pensar. A reflexão é simbólica em certos momentos intensos...”


ELIZABETH

sábado, 7 de abril de 2007

CRIATURAS



A chave de toda aventura humana: o desconhecido!

De vento em vento, de sol em sol, de lua em lua, vamos apreciando o nada que nos apresenta... Quem somos।

Qual a importância em conhecer alguém se já sabemos, de antemão, que no fundo das nossas consciências desvairadas, somos o reflexo de toda a humanidade?

Eu sou todos os seres, logo, conheço a todos, como a palma da minha mão... Um mapa curioso que revela a dor e o tesouro da aventura.

E de mão em mão vai-se passando aquilo que antes foi de lábios à ouvidos.

Imagino todos numa encruzilhada! O impasse que gera dúvidas। Não sabemos nada! E o que fazer, debaixo do sol?

A aurora é quase nossa...A luz do luar é a doce ilusão que encobre nossa consciência e “escurece”।

A escuridão é o calcanhar de Aquiles?

Uma doce tontura nos empurra e nos enterra no eterno mundo de maya...É preciso acordar! Por isso, a aurora matinal, é tão encantadora...Única arma contra o sono letárgico। Quero me vestir de aurora matinal!

Criaturas das sombras, das noites que nunca amanhecem, possuem na voz, a força das trombetas que derrubam muros.

Contradição? Impasse? Paradoxo?

Através do som, cristalizam-se vida e morte...E ao ouvir Beethoven, pode-se afirmar que Deus existe। O som do grande mestre nos reporta aos recôncavos intocáveis do universo e da consciência perdida...Torna tudo lucidez, por um instante fugaz...Recorda-se então, do projeto inicial, que foi abandonado.

As leis que regem as galáxias e os sistemas, regem essas medíocres criaturas ansiosas pelo dourado, sob o céu azul.
A Gravidade, a Relatividade, a pretensa Ressonância Mórfica de Sheldrake, juntam-se a outras, para formar a vastidão de possibilidades existenciais.

ELIZABETH